Estudo mostra que Repatha® (evolocumabe) reduz pela metade o risco relativo de eventos cardiovasculares em pacientes com doença arterial periférica

Estudo mostra que Repatha® (evolocumabe) reduz pela metade o risco relativo de eventos cardiovasculares em pacientes com doença arterial periférica

Dados apresentados no congresso da American Heart Association (AHA) mostram que o tratamento com Repatha (evolocumabe) reduz em 48% o risco relativo de eventos cardiovasculares para pacientes com doença periférica arterial

PR Newswire

THOUSAND OAKS, Calif., Nov. 23, 2017

THOUSAND OAKS, Calif., Nov. 23, 2017 /PRNewswire/ -- A Amgen, biofarmacêutica focada no desenvolvimento de medicamentos para doenças de difícil tratamento, apresentou durante o congresso da American Heart Association (AHA), cinco novas análises de subgrupo do estudo de desfechos cardiovasculares FOURIER, de Repatha® (evolocumabe). Os resultados mostraram que o uso de Repatha® associado à estatina promoveu redução significativa de eventos cardiovasculares, como infarto e AVC, em pacientes de alto risco com doença arterial periférica (DAP), e em pacientes com histórico de infarto do miocárdio.

O principal destaque foi em relação aos benefícios do tratamento com Repatha® em pacientes com doença arterial periférica (DAP), condição em que o acúmulo de gordura estreita os vasos sanguíneos, reduz o fluxo de sangue para os membros inferiores do corpo, causando dores intensas e formigamento, e aumenta ainda mais o risco de eventos cardiovasculares. No estudo que contou com mais de mais de 27 mil pacientes, 3.642 tinham histórico da condição. Dentro desta população, o grupo de pacientes que tinha histórico de DAP, sem história prévia de infarto do miocárdio ou AVC apresentou redução do risco relativo de eventos cardiovasculares de 48%, e o número de pacientes tratados para atingir o desfecho desejado foi de 16 pacientes para 1.

No grupo de pacientes com histórico de DAP houve ainda uma redução de 21% no desfecho primário, que inclui hospitalização para angina instável, revascularização coronária, ataque cardíaco, derrame ou morte e 27% no desfecho secundário, que inclui ataque cardíaco, derrame ou morte. Além disso, com o uso de Repatha® os níveis de LDL-C, colesterol ruim, desses pacientes passou de uma média de 93 para 31mg/dL em 2,5 anos, abaixo do recomendado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 50mg/dL.

"Dependendo do estágio, a doença arterial periférica pode ser incapacitante, prejudicando a qualidade de vida e até impedindo que o paciente trabalhe. Esses resultados mudam o modo como vamos tratar os pacientes daqui para frente porque mostram que com a redução do LDL é possível estabilizar ou diminuir a progressão da doença, promovendo uma vida normal ou próxima do normal para esses pacientes, com menos morbidades e mortalidade em decorrência da condição", diz o cardiologista Dr. Sergio Timerman, cardiologista e membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Cardiologia. 

Outro resultado apresentado foram os benefícios do tratamento com Repatha® para pacientes com histórico de infarto do miocárdio (N=22,351). Neste grupo os pacientes com um histórico de infarto foram caracterizados de acordo com o tempo desde seu evento mais recente, número de eventos anteriores e presença de doença arterial coronária (DAC) multiarterial. O tratamento com Repatha® resultou em redução de risco relativo (RRR) de 24% em pacientes que enfartaram há menos de 2 anos comparado com 13% para os que tiveram o evento há mais de 2 anos. Naqueles com múltiplos infartos a RRR foi de 21% comparado com 16% para os pacientes que tiveram apenas um evento anterior. Pacientes com um histórico de DAC multiarterial tiveram uma RRR de 30% comparado a 11% em pacientes sem DAC multiarterial.

A análise (Resumo #183) que avaliou a totalidade de eventos de desfecho primário (primeiro evento ou recorrente) durante o curso do estudo revelou que o tratamento com Repatha® melhorou desfechos clínicos com reduções significativas de eventos do objetivo primário total direcionadas por diminuições em infarto, AVC e revascularização coronária. Repatha® reduziu eventos do desfecho primário composto em 18%.

Participantes do estudo foram estratificados de acordo com sua Pontuação de Risco de Trombólise em Infarto do Miocárdio (TIMI) para Prevenção Secundária para identificar aqueles com maior potencial de benefício clínico após tratamento com Repatha®. Consistente com resultados anteriores, risco mais elevado foi associado com maior redução de risco absoluto. (Resumo #3025)

Sobre o FOURIER
O estudo de desfechos cardiovasculares, FOURIER, apresentado no início de 2017, avaliou 27.564 pacientes, 693 deles brasileiros, com doenças cardiovasculares clinicamente evidentes e quebrou um paradigma ao estabelecer pela primeira vez uma redução intensa dos níveis de LDL-C com Repatha®, além do que é possível com a melhor terapia atual isolada, a uma redução adicional de eventos cardiovasculares de 20%. Ou seja, 1 evento evitado a cada 5, nos eventos cardiovasculares principais, que incluem infarto do miocárdio, AVC isquêmico ou revascularização coronariana. Segundo o estudo, cada um desses eventos teve redução de 27%, 21% e 22%, respectivamente. O estudo Fourier demonstrou ainda uma redução de LDL-C para níveis abaixo de 25 mg/dl em 42% dos pacientes, com resultados ainda mais significativos do que os índices atuais recomendados pelos especialistas com a mesma segurança para os pacientes. Os objetivos primários avaliados no estudo foram morte cardiovascular, infarto do miocárdio, AVC isquêmico, internação por angina instável ou revascularização coronariana. Os objetivos secundários incluíram morte cardiovascular, infarto do miocárdio ou AVC isquêmico.

Sobre o Repatha® (evolocumabe)
Repatha® (evolocumabe) é um anticorpo monoclonal totalmente humano que inibe a pró-proteína convertase subtilisina/kexina tipo 9 (PCSK9). Repatha® se liga à PCSK9 e inibe a ligação da PCSK9 circulante ao receptor da lipoproteína de baixa densidade (LDLR), prevenindo a degradação do LDLR mediado por PCSK9 e permitindo que o LDLR se recicle de volta para superfície da célula hepática. Ao inibir a ligação de PCSK9 ao LDLR, Repatha® aumenta o número de LDLRs disponível para captar o LDL do sangue, reduzindo assim os níveis de LDL-C.

Repatha® está aprovado em mais de 40 países, incluindo o Brasil, EUA, Japão, Canadá e em todos os 28 países membros da União Europeia. Solicitações em outros países estão pendentes.

Para informações sobre locais de comercialização e programa de suporte aos pacientes no Brasil, entre em contato com o SAC pelo telefone 0800-264-0800 ou pelo endereço de e-mail: sacbrasil@amgen.com.

Sobre a Amgen
A Amgen tem o compromisso de desvendar o potencial da biologia para pacientes que sofrem de doenças graves por meio da descoberta, desenvolvimento, fabricação e concretização de terapias humanas inovadoras. Essa abordagem começa com o uso de ferramentas como genética humana avançada para desvendar as complexidades da doença e entender as bases da biologia humana.

A Amgen está focada em áreas em que muitas necessidades médicas não são atendidas e faz uso de sua experiência para buscar soluções que melhorem os desfechos em saúde e que melhore muito a vida das pessoas. Pioneira em biotecnologia desde 1980, a Amgen cresceu e se tornou uma das empresas líderes em biotecnologia independente no mundo, atingiu milhões de pacientes pelo globo e está desenvolvendo um pipeline de medicamentos com potencial revolucionário.

Para mais informações, visite http://www.amgen.com.br/

Informações a impressa
(11) 4873-7930

 

FONTE Amgen

Voltar noticias em Português no Mundo